quarta-feira, 15 de junho de 2011

Toquei de leve a chuva

.
Toquei de leve a chuva
Caída no teu rosto
.
Somente à transparência
O teu olhar de luz
Era frágil inocência
.
Abandonada a beleza
É ainda mais bela
E iluminada
.
Repousa a chuva
Na manhã de rosas
E tu resplandeces
.
Afrodite não estaria
Mais sublime –
.
2011-06-08
José Almeida da Silva
.

2 comentários:

Elza disse...

Um poema cheio de subtilezas.

vanda disse...

Lindo...gostei muito de como o poeta acaba o poema! sublime!