quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Esperança

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...



Mário de Miranda Quintana (Alegrete, Rio Grande do Sul, Brasil, 30 de Julho de 1906 - 1994)  

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Natal
















Às três horas da tarde 
do dia 24 de Dezembro 
um triste lança possibilidades ao mar 
Talvez procure companhia,  
ou um final feliz no fim da linha 
ou que se afogue 
a consoada de quezílias e hipocrisias
O mar está bravo 
a linha esticada 
mas não há bacalhau 
no mar de S. Felix
muito menos finais felizes

Teresa Almeida Pinto 
24.12.2015


segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Metade de mim

Sou metade de mim
e estou inteira

A vida dividiu-me
só de um lado

Rasura cruel de maneira
a fazer desencontrar
o espaço intacto

Metade tão perfeita
embora queira

Curar no meu oposto
o que é rasgado

Maria Teresa Horta (Lisboa, 1937-) in Inquietude

terça-feira, 23 de junho de 2015


Houve um dia, na história do tempo, que não teve ontem.
Enganou-se o tempo e o dia ficou.

Toda a minha presença são palavras,
às vezes penso, às vezes existo.


Teresa Freitas

sexta-feira, 20 de março de 2015

Dos rios





Dos rios corridas águas
sobre vagas escondidas
quantas foram, manhã perdi
em tristezas assim tão frias
e, se então não valeu a pena
funda fenda dessas gentes
de mim esquecidas
superfícies deslizantes
só, tempo de antes passado
hoje, sem temor de quebrar
também da dor de coração
no entanto, bem se saberá
todas as viagens são sem fim

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015









 Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu , que
me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a
manhã da minha noite.
Nuno Júdice, in Pedro lembrando Inês

Em que pensar senão em ti
Tu que destilaste desejos inéditos na minha pele
Tu que deste um nó clássico no meu coração
Tu que rasuraste as esquinas do meu estômago,
até á náusea do amor,
até ao enfarte
até ao enfado da separação


Teresa Almeida Pinto

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Estou tonto

2560x1600 Wallpaper man, sitting, chair

imagem daqui


Estou tonto, 
Tonto de tanto dormir ou de tanto pensar, 
Ou de ambas as coisas. 
O que sei é que estou tonto 
E não sei bem se me devo levantar da cadeira 
Ou como me levantar dela. 
Fiquemos nisto: estou tonto. 

Afinal 
Que vida fiz eu da vida? 
Nada. 
Tudo interstícios, 
Tudo aproximações, 
Tudo função do irregular e do absurdo, 
Tudo nada. 
É por isso que estou tonto ... 

Agora 
Todas as manhãs me levanto 
Tonto ... 

Sim, verdadeiramente tonto... 
Sem saber em mim e meu nome, 
Sem saber onde estou, 
Sem saber o que fui, 
Sem saber nada. 

Mas se isto é assim, é assim. 
Deixo-me estar na cadeira, 
Estou tonto. 
Bem, estou tonto. 
Fico sentado 
E tonto, 
Sim, tonto, 
Tonto... 
Tonto. 

Álvaro de Campos, in "Poemas"  lido aqui

ser

imagem daqui


somos sempre um sonho por inventar
indiferente às polaridades e ao racional
assim como gotas de chuva caídas da nuvem nova
sempre originais.
somos a aura de uma manhã legítima

o acontecimento que os signos procuram explicar –

josé ferreira 16 fevereiro 2015

sábado, 14 de fevereiro de 2015

É Isto o amor

Renoir 1883 (imagem daqui)


Em quem pensar, agora, senão em ti? Tu, que 
me esvaziaste de coisas incertas, e trouxeste a 
manhã da minha noite. É verdade que te podia 
dizer: «Como é mais fácil deixar que as coisas 
não mudem, sermos o que sempre fomos, mudarmos 
apenas dentro de nós próprios?» Mas ensinaste-me 
a sermos dois; e a ser contigo aquilo que sou, 
até sermos um apenas no amor que nos une, 
contra a solidão que nos divide. Mas é isto o amor: 
ver-te mesmo quando te não vejo, ouvir a tua 
voz que abre as fontes de todos os rios, mesmo 
esse que mal corria quando por ele passámos, 
subindo a margem em que descobri o sentido 
de irmos contra o tempo, para ganhar o tempo 
que o tempo nos rouba. Como gosto, meu amor, 
de chegar antes de ti para te ver chegar: com 
a surpresa dos teus cabelos, e o teu rosto de água 
fresca que eu bebo, com esta sede que não passa. Tu: 
a primavera luminosa da minha expectativa, 
a mais certa certeza de que gosto de ti, como 
gostas de mim, até ao fim do mundo que me deste. 

Nuno Júdice, in 'Pedro, Lembrando Inês'  lido aqui

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

o valor de uma lágrima

imagem daqui

qual o valor de uma lágrima no teor de sal irrepetível?
elevado ou dispensável?
talvez na proporção inversa da velocidade
segundo a profundidade dos poros ao descer a colina –

qual o valor de um grito ou de um gesto de desvario?
um prato partido na parede inocente
um copo na mão trémula, caindo, tingindo a toalha na cor do vinho –

qual o valor de um sentimento que se sente como uma montanha infinita?
depois de tanto tempo, na substância do presente
feito de vermelho e branco

e de palavras antigas –


josé ferreira 6 fevereiro 2015

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

O poeta, mera bicicleta,
corre sem fim,
atrás de um preciso              outro Verão.

Olhos abertos de mar,
esquecidos de ti ,
maresia de espaço,
recoberta de ontem,
areia de livros,
heterónimos  de nós ,
gelados de toques,
sabor a tantos como nós ,
correntes submersas
de sim                           
 e de não.

O poeta, mera bicicleta,
poros cerrados,
principio do fim
 poema inacabado,
daquele preciso                    outro Verão.


Teresa Freitas

Desinspiração exemplar



Lá vai a bicicleta do poeta em direcção
ao símbolo, por um dia de verão
exemplar.                    Herberto Helder

 

Lá vai o poeta
pedalando no gerúndio,
por um dia de chuva exemplar
(por acaso Verão)

Lá vai o poema colado aos pedais
a rimar na contramão
das balelas gramaticais
- Segura-te ó Musa, olha que cais!

Poeta e poema, pé no pedal
pela viela dos vocábulos
á procura do símbolo
das sílabas fatais:
inspiração com uis e com ais
e varias metáforas banais

Lá vai a Musa de Lamborghini …
-Bicicleta ?!!!
Que a pedale o poeta!


 Teresa Almeida Pinto



segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O “poema”

O poema olha-me de viés enquanto escrevo.
Reclama palavras teatrais,
conjugações antológicas:
uma pequenina luz bruxuleante
um ramalhete rubro de papoulas
uma alameda inteira de rododendros


Olho o papel em branco
e o poema agiganta-se
Adamastonda-se
Pede mar, mar, muito mar
(daquele de ir e voltar)
e amor também:
se possível urgente,
com um nadinha de Penélope

Digo-lhe que sou pequena, que não sou nada,
que da minha aldeia não se vê o mundo.
- Mas ser poeta é ser mais alto e por um poema tudo vale a pena.
Responde

Eu não sei conjugar pretéritos perfeitos
nem sonhar em sereno sobressalto,
mas ele exige desinências complexas
e palavras esdrúxulas,
a saber a chocolate e eternidade.
Quer sílabas capazes de atravessar o deserto
sonetos que ardam sem se ver
e odes marítimas a cheirar a pátria

Não sei se o poema me levará no tempo
quando eu já não for eu


No fundo de mim, sei que o traí,
pois ainda não escrevi
o poema que acaba aqui.

Teresa Almeida Pinto


Para além da alusão a vários poemas, este “poema” tem referências directas de:
Uma Pequenina Luz, Jorge de Sena
O ramalhete rubro das papoulas, Cesário Verde
O Excesso Mais Perfeito, Ana Luísa Amaral
Tabacaria, Álvaro de Campos
Ser Poeta, Florbela Espanca
Mar Português, Fernando Pessoa
Poema, Sophia de Mello Breyner

sábado, 17 de janeiro de 2015

Ana Luísa Amaral no Ípsilon: O que é Cultura Geral?

                                         


Ana Luísa Amaral

Poeta, professora universitária, 1956


Obras seleccionadas:
O Cavaleiro da Dinamarca Sophia de Mello Breyner
Toda a poesia de Emily Dickinson
O Jogador Dostoievski
As peças (quase todas) e os sonetos de William Shakespeare
A canção Veinte años Patxi Andión
A poesia toda de William Blake
A canção A noite passada Sérgio Godinho
O acto O coro dos escravos hebreus, Ópera Nabucco, de Verdi
A tapeçaria A Dama e o Unicórnio
Tempos ModernosCharlie Chaplin

O que é que pode lançar mundos no mundo? A arte, o pensamento, a palavra — e talvez, no exercício dela e na paixão por ela, a palavra da poesia, porque é a menos sujeita às leis do mercado, a mais livre. A palavra faz sentir e faz pensar. Por esta razão, por exemplo, para o estado de ditadura social em que nos movemos, a incultura e a falta de pensamento são úteis: porque uma pessoa que pensa é uma pessoa que questiona, que exige, que resiste.

Se pensarmos que a palavra “cultura” vem de “cultivar” e que se refere inicialmente ao amanho da terra, então ela tem que ver com preparação, com cuidado, com aprimoramento de capacidades que estão latentes em todos e todas nós e que vão sendo desenvolvidas através da comunicação. Ter cultura geral incluiria conhecer a Bíblia, claro, tanto quanto a Pietá, incluiria saber do folclore de um povo, tanto quanto apreciar Bach, incluiria entender as razões para a Revolução Francesa, tanto quanto perceber a guerra económica e social movida pelo que foi a chamada “bolha de Wall Street”...

As pessoas que passaram pela minha vida e que foram fundamentais para a minha formação foram várias. Penso na minha tia, Manuela Amaral, que eu amava e admirava; em duas professoras que tive no colégio onde andei, Dora de Vilhena, que lia poemas em voz alta na aula, e Isabel Lago. Com a Isabel Lago li O Cavaleiro da Dinamarca, e essa leitura foi fundamental: senti a beleza da palavra, quase no seu estado puro. Muito mais tarde, já na faculdade, uma professora de Cultura Norte-Americana, Cristina Ribeiro, abriu-me o mundo para “os outros” Estados Unidos, na sua dimensão de discriminação, de violência, de racismo. Deu-me autores como Langston Hughes, Aimé Cesaire (ainda me lembro de cor de partes de Cahiers d’un retour au pays natal). Mais tarde, Maria Irene Ramalho, que me orientou o doutoramento e me ensinou a verticalidade que a literatura traz. Depois, os meus alunos todos, ao longo de tantos anos de ensino; com eles me formei também. De alguns, destaco Marinela Freitas, minha colega agora. E ainda o meu pai, que me ensinou uma ética de vida. E a minha filha, que me ensinou e continua a ensinar a crescer e a ser melhor pessoa. Com todos eles e todas elas, aprendi a ler o mundo — e a ler mundos.

Eu acho que devia ser ensinado o que faz parte das artes, da ciência, da ética, do conhecimento, do pensamento humanos. Acharia muito bem estudar os Beatles, desde que se falasse dos anos 1960 e do que eles significaram em termos de movimentos sociais, e do feminismo, e das minorias; tal como, no caso do jazz, de como ele nasce, e a propósito disso, da questão da chamada “Renascença de Harlem” nos Estados Unidos e, ligada a ela, da exploração da identidade e, com ela relacionada, do racismo e por aí fora...

“Grandes descobertas/acontecimentos”: é de ordem enciclopédica. Mas falar na relatividade implicaria mostrar o seu impacto a diversos níveis. O que quero dizer é que uma disciplina de Cultura Geral, a existir, deveria ser transdisciplinar e comparatista, relacionando tudo com tudo. Como tudo está, de facto, relacionado com tudo. Até mesmo mostrar que, em 1940, um escritor como Hemingway oferece a um romance seu um título como Por quem os Sinos Dobram porque existiu três séculos antes dele um poeta chamado John Donne que escreveu um poema que dizia: “Não perguntes por quem os sinos dobram, eles dobram por ti.”

Platão expressou-se de uma forma que é comum às Ciências e às Humanidades. Ou seja, expressou-se em palavras. Mais facilmente uma pessoa das Ciências consegue ler o que Platão escreveu do que uma pessoa de Letras consegue perceber Física Quântica. Porque Platão usa uma linguagem que, embora servindo-se de conceitos filosóficos, é mais comum a todos nós. E essa linguagem organiza o pensamento, ordena-o, cria questionamentos sobre o nosso lugar como humanos no mundo, interroga-nos e interroga o mundo, na própria constituição de conceitos.

Excerto de Público  11 Janeiro 2015: 

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Quart(z)o adverso


Imagem daqui

sobressaíram poucos sonhos na noite pesada.
cada um para seu lado na prisão das almofadas.
não é uma novidade nessa clausura de Bergman:
um olhar fixo sobre a praia cinza, uma máscara branca
a porcelana fina –
existem marcas nos tectos da casa por detrás de portas fechadas.
as marcas não se pronunciam, subsistem e são sem ruído.
respira-se um ar de chumbo como na subida de uma serra fria:
sob um nevoeiro opaco, lento, contínuo, onde se inscrevem signos
palavras de caligrafia sem o som da língua
silêncios recorrentes na improbabilidade dos caminhos –


não estamos longe nem perto nesse quartzo adverso  –

josé ferreira 13 janeiro 2015