terça-feira, 26 de abril de 2016

imagem de 

Envelheceu a cama
mas os meus cabelos escurecem
a pele fica mais lisa
as ideias curiosas como criancinhas
saltitantes de olhos esbugalhados
porque tudo isto é um milagre.
E a cama rangendo
sempre que me viro –
gosto de deitar-me de um lado
depois do outro repetidas vezes
na noite longa
– um lado e depois o outro.
Às vezes durmo de barriga para baixo
como quando era pequena.
Envelhecer é sonhar com
ser criança.

A cama queria ser berço.
Eu queria caber no colo quente da minha mãe.

Marta Pais de Oliveira
publicado AQUI 

quarta-feira, 13 de abril de 2016

eu do avesso

Digital Art: Federico Bebber

o avesso do meu avesso não sou eu é o avesso
do avesso de eu.
na matemática é diferente
a negação da negação é uma operação simples
e peculiar e única que não acrescenta
nem retira atributos.

mas com o avesso do meu avesso nada se passa
assim. o meu avesso invade-me serve-se
dos fantasmas que me habitam e usa a sua magia
para me ampliar o desassossego. e o seu avesso
que é o avesso do avesso de eu
transmuda com a mesma agudeza
o efeito do anterior. por isso cada vez mais
eu me confundo
irremediavelmente
com o meu desassossego.

M. Céu Silva (SLV)

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Livro para Luaty Beirão

A liberdade começa nos teus braços 
Quando olhas o mundo de asas abertas
E vais à descoberta das estórias 
Escondidas num livro de gestos proibidos.
Sacodes os ruidos que te abafam
E escutas os sons das silabas em movimento
Há palavras estendidas no chão vermelho
Da terra quente
E tu lês,
até ferirem teus olhos,
A distância que vai de ti ao sopro longinquo de um rubro cravo
De abril do outro lado
Do mar português _
E no rosto vendado
Da verdade
Escreves
quanto dói
A liberdade

ana margarida borges

terça-feira, 5 de abril de 2016

Leite-Creme


Mostrar-te Leite-creme 
é um prazer - e fácil: 
açúcar à colher, 
leite a ferver, 
em poalha a farinha 
e muito grácil.

Na cozinha, 
os teus olhos: 
duas chávenas meias
de razão.
As palavras totais 
e todas claras. 

Não te posso, infinita, 
proteger, 
evitar-te o fogão. 
Mentir-te sobre, às vezes, 
minha filha, 
a vida: 
um batedor sem varas

Só deixar-te
poalha de farinha:
amor 
em Via-Láctea. 


Ana Luísa Amaral in Epopeias 

domingo, 3 de abril de 2016

Adoro ler-te

Imagem: Fiona Banner 

Adoro ler-te,
nas entrelinhas das tuas frases.

Adoro ler-te,
nas entrelinhas dos teus gestos.

Adoro ler-te,
nas entrelinhas dos teus toques.

Adoro ler-te.

Teresa Freitas, in  therasia