quarta-feira, 31 de julho de 2013

Soneto de Vinicius para Neruda e e um samba para Vinicius


Soneto de homenagem a Pablo Neruda

Quantos caminhos não fizemos juntos
Neruda, meu irmão, meu companheiro...
Mas este encontro súbito, entre muitos
Não foi ele o mais belo e verdadeiro?

Canto maior, canto menor - dois cantos
Fazem-se agora ouvir sob o Cruzeiro
E em seu recesso as cóleras e os prantos
Do homem chileno e do homem brasileiro

E o seu amor - o amor que hoje encontramos...
Por isso, ao se tocarem nossos ramos
celebro-te ainda além, Cantor Geral

Porque como eu, bicho pesado, voas
mas mais e melhor do céu entoas
teu furioso material!

Vinicius de Moraes ( 1960 )

terça-feira, 30 de julho de 2013

Aquela Triste e Leda Madrugada





Aquela triste e leda madrugada,
cheia toda de mágoa e de piedade,
enquanto houver no mundo saudade,
quero que seja sempre celebrada.

Ela só, quando amena e marchetada
saía, dando ao mundo claridade,
viu apartar-se d`ua outra vontade,
que nunca poderá ver-se apartada.

Ela só viu as lágrimas em fio,
que duns e doutros olhos derivadas,
s`acrescentaram em grande e largo rio;

Ela viu as palavras magoadas,
que puderam tornar o fogo frio,
e dar descanso as almas condenadas.

Luís de Camões

sexta-feira, 26 de julho de 2013

"Em seu entender o poeta..." por David Mourão


imagem daqui

                   XLI

Em seu entender, o poeta nunca
aprende; nem ensina. Limita-se
a apreender; e a ficar apreensivo
ou a superar a apreensão

David Mourão Ferreira, Jogo de Espelhos, Presença

domingo, 21 de julho de 2013

A quem tem de ir e a quem pode ficar


Nevoeiro

 

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer -
Brilho sem luz e sem arder,
Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.
Ninguém conhece que alma tem,
nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...

É a  Hora!


De Fernando  Pessoa em Mensagem

sábado, 20 de julho de 2013

Chega o pouco que se sabe



Acabava o som
espalhara-se o odor
tranquiliza a natureza
às vezes
que tudo é natureza

Abrirá os olhos
arremessou bocado de terra
pousou na laje, o sol sacou-o
Não esperou milhares e milhares de anos
por não viver todos eles
Nunca precisou de tanto tempo
e distinguia o acaso do não acaso
e fora, mesmo assim, enganada

Simplesmente, um dia
mudou a importância que isso tinha
já não é só o som da água
do rio, também o do mar
Tinha mudado, raro, nos trilhos
tentar
e,
a amizade é um amor eterno
tal qual o é o amor verdadeiro

quinta-feira, 18 de julho de 2013

procurar poemas

flickr.com
flickr aqui


procurei poemas no sol incansável do meio-dia
e nenhum  surgiu sem  sombra
na verticalidade própria de uma hora exacta
como instante único na cor do dia –

foi ingenuidade querer encontrá-los numa única vontade
os poemas são sempre de mãos juntas ou de lutas.
os poemas estão para além de quartos nas cidades
e de ruas a ferver nos semáforos.
os poemas são redondos e completos
numa analepse do mundo, de Ítaca a um céu futuro -
os poemas são a proximidade possível com a natureza
na essência que exige água e luz
a superfície de um planeta -

os poemas todos juntos escrevem o mundo -

josé ferreira

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Mario Benedetti - Defensa de la alegría


imagem daqui
Defender la alegría como una trinchera
defenderla del escándalo y la rutina
de la miseria y los miserables
de las ausencias transitorias
y las definitivas

defender la alegría como un principio
defenderla del pasmo y las pesadillas
de los neutrales y de los neutrones
de las dulces infamias
y los graves diagnósticos

defender la alegría como una bandera
defenderla del rayo y la melancolía
de los ingenuos y de los canallas
de la retórica y los paros cardiacos
de las endemias y las academias

defender la alegría como un destino
defenderla del fuego y de los bomberos
de los suicidas y los homicidas
de las vacaciones y del agobio
de la obligación de estar alegres

defender la alegría como una certeza
defenderla del óxido y la roña
de la famosa pátina del tiempo
del relente y del oportunismo
de los proxenetas de la risa

defender la alegría como un derecho
defenderla de dios y del invierno
de las mayúsculas y de la muerte
de los apellidos y las lástimas
del azar
y también de la alegría



Mario Benedetti lido aqui

domingo, 7 de julho de 2013

escrevo-te (XXI) - sobre o mar

Amadeo Modigliani


escrevo-te sobre o mar no poema vinte um.
quero que o guardes junto de uma macieira vermelha
protegido num rolo de aguarela, enrolado na forma de papiro.
tem os cantos queimados como costumava fazer na mesma idade do poema
incinerando os  vazios do papel que se desprendiam num fumo que subia
e depois caíam exaustos, separados entre cinza e espírito
como se dividissem a alma
entre o eterno,  que colocava a moldura da forma
e o momento da aura,  de terminar a obra de arte, depois de soltar as palavras fugidias
nos recantos da praia, nas relvas dos jardins, na solidão das paredes insensíveis
e de uma luz eléctrica transformada na sensualidade de um teatro  de sombras
como se decorresse um filme à luz de lamparinas  –


se lhe chamo obra de arte não é um elogio, tenho a consciência dos limites.
houve dias e dias, horas e horas, numa existência morta.
casualidades e banalidades pelos interstícios de muitos anos perdidos.
sem resultados, sem linhas escritas -

os poemas são a obra de arte que significam sem a preocupação de medida.
uma efervescência, uma ebulição, um assobio, o lugar de um número ímpar;
serei sempre um desconhecido do tempo, um vagabundo da luz e da poesia –


para além do mar e desta cidade parada na foz de um rio
escrevo-te sobre a revolução  das glícinias
quando  lançam os braços doces nas noites propícias.
como uma luz âmbar na cor lilás do teu  sorriso, o teu sorriso
irrepreensível de sentido, natural, solto, em frente de um chá de camomila
depois de colocares os lábios num copo de vinho
após o desfazer dos brincos de cereja, primeiro de  par em par
e depois um a um,  caindo –

o mar está ali à minha frente, sei que o vês nitidamente
da esplanada de folhas brancas manuscritas, por detrás dos óculos escuros
com os olhos de brilho.
o mar persistente de ruído branco e sal infinito –

sei que o vês nitidamente enquanto recordo o teu baixar das pálpebras
os meus lábios aflitos
e as horas fugitivas como se fossem minutos e segundos pequeninos –

calo-me, deixo que as lágrimas caiam, e sim, são esses borrões de tinta.
não, não é um momento triste, porque na memória reside o vivido
o campo risonho de margaridas, as nuvens, o céu azul, o sol  e a chuva
a protecção de um bosque e uma casa escondida
de cortinas de renda e lenha acesa, na luz tremeluzente
como a das lamparinas –

dançaste a noite inteira, derrubaste cadeiras na coreografia
percorreste a sala iluminada como se fosse uma corrida
e depois paraste, abriste os braços e teu coração batia.
era a noite dos milagres,  a lua estava cheia e as estrelas protegiam –

calo-me, e dou lugar às ondas. caminho. a areia escorrega
a água esgota-se na clepsidra
os pés vestem-se de branco e as veias apertam.
calo-me e o mar avança, cobre-me de limos
adivinho-te na rocha mais distante como uma figura de mitologia
os cabelos reluzentes, a pele em contraluz, os raios procurando aberturas
chegando com as ondas e partindo num som imperceptível –

josé ferreira 7 julho 2013

quinta-feira, 4 de julho de 2013

um poema de Sophia - O mar dos meus olhos


Amadeo Modigliani



Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os Homens...
Há mulheres que são maré em noites de tardes 
e calma

Em "Obra poética" (Ed. Caminho, 2010) lido aqui

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Um conto de Kafka - Os que passam a correr




Se vamos a passear à noite por uma rua e um homem que ao longe se avista - porque a rua sobe à nossa frente e a lua está cheia - vem a correr de encontro a nós, então não o vamos agarrar, apesar de ele ser fraco e andrajoso, apesar de vir uma pessoa a correr atrás dele e a gritar, vamos antes deixá-lo passar.
Porque é de noite e não temos culpa que a rua seja a subir e esteja iluminada pela lua, e, além de mais, talvez estes dois homens tenham organizado a caça para seu divertimento, talvez os dois persigam um terceiro, talvez o primeiro esteja a ser injustamente perseguido, talvez o segundo queira matar e nós seríamos cúmplices do crime, talvez os dois não saibam nada um do outro e cada qual apenas corra, por sua própria iniciativa, para a sua cama, talvez sejam sunâmbulos, talvez o primeiro esteja armado.
E afinal de contas não podemos nós estar cansados, não é verdade que bebemos muito vinho? Estamos contentes por também já não vermos o segundo homem.


Franz Kafka lido aqui

terça-feira, 2 de julho de 2013

Ana Luísa Amaral - Fechar os olhos e por dentro ecoar


Erica Hopper


Fechar os olhos e por dentro ecoar em passado.
Pensar «podia ter outra cor de pele, outra pelagem»
E o tempo virar-se do avesso, e entrar-se ali,
em vórtice, pelo tempo dentro.
Escolher.

Trazer cota de malha e de salitre,
ter chorado quando o porto ao longe se afastara,
milhares de milhas antes,
meses em sobressalto para trás.

As febres e tremuras durante a travessia,
 a água amarga, as noites
carregadas de estrelas,
 junto ao balanço do navio, um astrolábio.

Numa manhã de sol, do porto de vigia,
ver muito ao fundo, em doce oval,
a linha, quase tão longínqua como constelação.
Gritar «terra», gritar aos companheiros
ao fundo do navio, do fundo dos pulmões gritar,
e o bote depois, os remos largos,
a cama de areia e o arvoredo.

Ou trazer na cabeça penas coloridas,
conhecer só a fundo a areia branca
e o mar sem fundo, peixes pescados ao sabor dos dias,
uma língua a servir de subir a palmeiras,
a servir de caçar e contar histórias.

Moldar um arpão, começar por um osso
ou pedra e madeira,
entrelaçar o corpo da madeira, e o afiado da extremidade.
Contemplar devagar o resultado do trabalho
e da espera.
Ou a beleza. Escolher.

Trazer o fogo na mão, escondido pela pólvora,
fazer o fogo na orla da floresta.
Os risos das crianças, tocar a areia branca, tocar
a outra pele. Cruel,
o medo, vacilar entre a fome e o medo.
Ou não esco1her.

As penas coloridas sobre um elmo,
a cota de malha lançada pelo ar como uma seta,
os sons dos pássaros sobre a cabeça,
imitar os seus sons,
num lago de água doce limpar corpo e
pecados de imaginação,
sentir a noite dentro da noite,
a pele junto da pele,
imaginar um sítio sem idade.

Trocar o fogo escondido pelo fogo alerta,
o arpão pelo braço que se estende,
gritar «eis-me, vida»,
sem ouro ou pratas.
Com a prata moldar um anel
e uma bola de fogo a fingir,
e do fogo desperto fazer uma ponte a estender-se
à palmeira mais alta.

Esquecer-se do estandarte no navio,
depois partir da areia branca, nadar até ao navio,
as penas coloridas junto a si,
trazer de novo o estandarte e desmembrá-lo.
Fazer uma vela, enfeitá-la de penas,
derretidos que foram, entretanto,
sob a fogueira a1ta e várias noites,
elmo e cota de malha.

Serão eles a dar firmeza ao suporte da vela,
um barco novo habitado de peixes
brilhantes como estrelas.

Não eleger nem mar, nem horizonte.
E embarcar sem mapa até ao fim
do escuro.


ana luísa amaral  vozes  dom quixote    2011 lido aqui

segunda-feira, 1 de julho de 2013

escrevo-te(XX) - sobre o natural e uma pérola que nasce



Zsazsa Bellagio Artist Ercia Hopper
Erica Hopper

escrevo-te sobre a baía aberta e natural
quando vi o filme
um filme que falava de cores luminosas
e de mistérios por detrás do sorriso –

sabes, mesmo sem a tua presença sinto as linhas da mão
num processo que se  transforma em imagem
depois uma imensidão de onde nascem palavras
depressa  e  em multidão –

a tua mão esconde-se na minha,  apenas um pouco mais pequena.
apenas a minha comporta a sombra, uma sombra de muitos anos
 a tua é luz consistente,  como a luz da lua que não pertence a ninguém
como a luz do orvalho das pétalas quando a madrugada avança
como a luz dos olhos na dimensão das ondas quando atingem as praias –

como no filme, de uma baía e de um par
 no alto de uma rocha e de mãos dadas  –

escrevo-te  numa esplanada pousada sobre o pensamento
na intensidade das ondas do mar
e o mar pode conquistar as rochas e os areais
sem o orgulho fácil de colecções de fotografias e postais.
o orgulho é uma cedência do desejo sobre o natural
o natural não tem medida, não tem mestre, não tem pecado original
sucede como o sol e como a chuva
o natural é a parte importante  da liberdade
o natural é o encontro de almas, um espelho de águas
uma história de princesas- cisne e de mágicos, o que está para além da realidade –

o natural é a cor dos teus lábios nesse sorriso inimitável
o natural são os teus poros a pulsarem num ritmo de África
o natural é a duplicidade de luz numa tarde
quando a ausência é um lugar –

escrevo-te e é noite, não há a luz do sol, não há a praia nem o mar.
a penumbra e uma maioria de silêncios envolve a cidade.
de vez em quando passa um carro, apenas um som que se extingue
e que fica a levitar
apenas a tarefa mecânica de um semáforo
verde, amarelo, vermelho… verde!… amarelo, vermelho
a repetição que os carros não percebem, o anti-natural
a programação binária –

um homem e uma mulher procuram o néctar do cálice
o curto-circuito da alma, o natural
e o natural é uma incógnita
a impossibilidade de uma fórmula, o Graal.
a cidade cala-se, não compreende, segue a rotina dos domingos
amanhã é segunda-feira
ouve-se,  numa voz baixinho –

o natural é a existência e a inexistência do mundo
sem cronómetros de astros, sem a posição do sol.
nunca ninguém te disse qual o signo do mundo
o mês, o dia  e a hora em que nasceu  -


sabes, sinto de novo a tua mão, acomoda-se numa meia-concha
como no filme, de uma baía e sobre o mar
 no alto de uma rocha e de mãos dadas  –

e talvez seja natural
há uma pérola que nasce –



josé ferreira 30 junho 2013