quarta-feira, 31 de julho de 2013

Soneto de Vinicius para Neruda e e um samba para Vinicius


Soneto de homenagem a Pablo Neruda

Quantos caminhos não fizemos juntos
Neruda, meu irmão, meu companheiro...
Mas este encontro súbito, entre muitos
Não foi ele o mais belo e verdadeiro?

Canto maior, canto menor - dois cantos
Fazem-se agora ouvir sob o Cruzeiro
E em seu recesso as cóleras e os prantos
Do homem chileno e do homem brasileiro

E o seu amor - o amor que hoje encontramos...
Por isso, ao se tocarem nossos ramos
celebro-te ainda além, Cantor Geral

Porque como eu, bicho pesado, voas
mas mais e melhor do céu entoas
teu furioso material!

Vinicius de Moraes ( 1960 )

1 comentário:

Anabela Brasinha disse...

Olá José!

Que delicia (a canção)!
Que delicioso(o poema)!

Mando um enorme Sorriso!
Bons dias de sol!