quarta-feira, 15 de junho de 2011

Cansei-me desta chuva miudinha



















"Golconde", René Magritte, 1898-1967
.
Cansei-me desta chuva miudinha,
Teimosa e poalha venenosa –
Molha sempre a minha poesia
E enruga a folha lisa onde mora.
.
Fechei a janela e a gelosia,
Mesmo assim aquela miudinha
Entra-me em casa sem pedir
Licença, curiosa e atrevida.
.
Pousa-se logo ali na mesa
De trabalho e olha a tinta
Como uma rival – as palavras
Entende-as como quer e pode.
.
Afinal, tanto lhe faz se estão
Deitadas ou se estão de pé,
O que ela quer é encharcá-las
Todas. Sim, mesmo até à alma
.
E fá-lo sempre com a calma
De um crítico de literatura.
A criatura lê tudo a direito
Sem respeito por quem
.
A pensou e escreveu. Enfim,
Presunção e água benta,
Tem-na ela à flor dos olhos:
Lê e insensível diz – não presta.
.
E esgueira-se de aresta em aresta
Feliz e rindo da patifaria. Eu fico,
Já se vê, como o sol no deserto
Capaz de a matar de insolação.
.
Mas sem demora guardei a poesia
Enrugada na gaveta, e fui para a janela
Exorcizar a chuva para que fosse embora.
.
E mesmo tímido, o sol iluminou-lhe o caminho –
.
2011-06-06
José Almeida da Silva
.

3 comentários:

Elza disse...

A chuva que enruga a folha lisa onde mora a poesia, a poesia enrugada na gaveta, e o poeta assim capaz de a matar de insolação, gostei muito!

josé ferreira disse...

Olá José

Por três vezes choveu e sempre de forma diferente;aqui é a chuva no sujeito que se adivinha, no segundo há chuva enlameada mas que fertiliza e por fim sorri e no terceiro fica uma chuva transparente que resplandece e se ilumina no rosto belo de Afrodite.
Por vezes a chuva se estende e não cansa, gostei dos três!

Michele Santti disse...

Cansei-me desta chuva miudinha...

Adorei o espaço.
Já estou seguindo.


Te convido para conhecer o Blog Michele Santti
http://michelesantti.blogspot.com/