quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Olá...

Olá...

Sou o outro Nuno do nosso curso... aquele que não se devia ter inscrito porque esteve... mas não esteve... queria participar mas não participava... nem os trabalhos de casa cumpria!... enfim, não adianta falar de desculpas (aulas, falta de tempo, blablabla mais blablabla)... foi assim porque tinha de ser assim (ponto final). E para terminar ainda pior... hoje não vai dar mesmo para ir ao jantar. Lamento mas não dá!
Por isso envio-vos a todos um abraço... e um até qualquer dia...

Nuno CA

PS - A minha relação com a poesia é um pouco como a minha participação neste curso... irregular, por ondas... sobretudo quando tenho "espaço mental" e aí as palavras saem. Apesar de agora não estar com "espaço mental" para a poesia, foi bom estar lá e ouvir-vos. Eu já sabia que não era poeta e que de poesia sabia... zero! Percebi melhor isso ao ouvir a Ana Luisa (obrigado...) e todos vocês... Gostei de vos conhecer e gostava de ter partilhado o que tenho escrito assim como gostava que fosse possível partilharmos todos o que temos feito... Por culpa minha não participei mais... ficará para outra altura. Espero mesmo que o blogue continue. Continuarei a espreitar e o mais certo será participar também... um dia... quando a inspiração chegar...

7 comentários:

Elza disse...

Nuno, apesar de talvez não ter sido cumpridor com os TPC, lembro-me bem da discussão tão rica que "provocou" na primeira aula e, depois, aqui no blogue.
"Ser poeta não é uma ambição minha.
É a minha maneira de estar sozinho."
Podemos não nascer todos poetas, mas acho que em algum momento todos temos um pequeno pedaço de poeta em nós. É uma maneira de estarmos sozinhos, ou de partilharmos, de gritar a nossa insatisfação, ou de mostrar que estamos satisfeitos... Que importa? E não há tantas formas de poesia? A vida é poesia! (Pelo menos algumas vezes...)
Espero sinceramente que a inspiração o toque, que arranje um pedaço do seu "espaço mental" para continuar a mergulhar na poesia, e que finalmente arrase barreiras como a falta de tempo para partilhar connosco o que escreve. Muitas felicidades poéticas e até um dia destes!

Rio disse...

nuno, entendo perfeitamente a frustração que sentes, mas não considero, de todo, que tenhas feito mal mal em te inscrever. eu também não fiz todos os tpcs, e nas aulas não estive sempre a 100%; o meu desempenho também ficou aquém do desejado... mas o facto de vos ter conhecido, de ter encontrado finalmente alguém a quem posso mostrar um poema sem me dizerem sou que está muito bonito ou que me olhe com ar estranho - no fundo, o ter descoberto o mesmo tipo de sensibilidade noutras pessoas e poder viver esta paixão convosco já fez tudo valer a pena. e as discussões, o alargar de horizontes...

por outro lado, sinto alguma vergonha em ti, como se o facto de não "saberes" te fizesse menos poeta. colega, companheiro, ali estamos todos em pé de igualdade. não creio que houvesse ali alguém que soubesse muito mais do que os outros... estávamos, e estamos, a descobrir-nos, a nós próprios, a poesia e aos outros.

por isso, vem a este espaço. ele é tão teu como de outra pessoa qualquer.

abraço, sara

ps tudo que eu disse, por mais piroso que possa soar, saiu da profunda convicção que sinto.

auxília disse...

Boa noite, Nuno, o "outro" Nuno. A sua presença foi tão importante como a "omnipresença" do Nuno (sem "outro"), por isso concordo com o que a Elza disse relativamente ao dinamismo que emprestou à primeira sessão. Obrigada por ter estado, mesmo sem tempo ou sem inspiração... E quando ela chegar, estou certa que nos vai surpreender.
Um até breve.

josé ferreira disse...

caro Nuno, como todos és único e aquilo que a determinada altura te inibe de te soltares não te faz nem mais nem menos do que qualquer um de nós. quero-te dizer que este blog , o primeiro blog a que me habituei como um pouco mais de sal dos desensabidos dias, existe e faz parte do que a Ana Luísa Amaral
falou na primeira aula "publiquem-se", tornem-se público e cresçam com as experiências de todos vocês.
nada do escrevi até agora era conhecido de ninguém a não ser de um pequeno círculo de família.ninguém está aqui para julgar nem ser julgado,apenas para ser mais ou menos sensibilizado por este ou aquele poema, por esta ou aquela prosa, por esta ou aquela imagem, por esta ou aquela voz que nos encanta na dicção, na música de um soneto canção.
para terminar como escrevi num poema que qualquer dia compartilho convosco "Não vás...permanece!"

blankbluebooker disse...

fica, claro! aceitamos o que és, como és. o que trazes num dia e omites no dia seguinte. é esse o acordo. cobrança zero, aceitação serena. a poesia não se faz à força.
R

Maria Celeste Carvalho disse...

Bom Domingo, Nuno, o outro!
Por tudo quanto escreveu, o Nuno ´tem em si, muito mais de poeta do que pensa!Por isso, fez questão de se inscrever neste workshop!
Às vezes, o ritmo apressado da vida, é que não nos permite participar tanto como gostaríamos.
E, cada um vive a poesia a seu modo! Escrever poemas, também, francamente, não é o meu forte!
Gostei de o conhecer e, na
primeira sessão, o Nuno foi, de facto, a estrela com as questões que levantou!
Não deixe de espreitar o blog e escreva, Nuno, e deixe-nos partilhar consigo, o poeta que há em si! O Nuno é que, se calhar, ainda não o encontrou!
Aqui fica o meu abraço.

M.C.

Anónimo disse...

Voltei aqui hoje... e ainda não tinha dito o quanto foi bom ouvir-vos... e agradecer-vos por isso. Tocaram em vários pontos que me dizem que realmente valeu a pena estar lá... e agora... sem cobrarmos nada uns aos outros, aceitando-nos como somos, podemos continuar a partilhar as nossas palavras e as palavras dos outros... quando quisermos...
Até já...
Nuno CA