terça-feira, 3 de janeiro de 2017

a cidade e as narativas

imagem daqui

nas cidades suspensas os edifícios precisam de ser substituídos por raízes.
da física estática para a dinâmica de células fluidas.
é uma questão de oxigénio quando se procura as asas das borboletas
porque são únicas e sem indício
vestidas da transparência natural de existirem:
sem o humano e a filosofia dos sentidos –

é a surpresa que importa e não a rotina.  o que sempre acontece é previsível.
como a visita da lua ou a luz excedente do astro que se estende
sem a seta e sem destino, sem o sensível e o sibilino 

o mesmo acontece quando o meu ombro e o teu ombro existem, e é física.
sem o reencontro são desperdício: uma redundância de silêncios
na campânula dos ouvidos –

é apenas segunda-feira e sucede de novo o ano e a cronologia:
semanas e meses, a geometria dos números, como  promessa, sem simbologia.
não desvelam o devir, a escrita dos interstícios
e só isso importa enquanto o pêndulo oscila
pela diferença e pelos navios
pelo invisível: o significativo sem o concreto dos cimentos e das tecnologias –

os edifícios são lugares sem autonomia, destituídos de artérias  e veias
não circulam nem imaginam. apesar da génese comum na arquitetura das avenidas
são diferentes as rugas e os signos: na vértebra quatro a contar de cima, o sinal
na pedra cinco, à direita da segunda janela, os pós cinzentos que mudam a cor das borboletas
para que sobrevivam -
as cidades são instrumentos e estão suspensas, porque nunca é delas a narrativa
são objeto, são construídas –

quando caminhas, quando escolhes um lenço de seda ou uma manta de ovelha
um sapato alto ou o andar próximo das sabrinas, és movimento –
a singularidade crítica que origina o poema, permanente ou efémera
nos olhos que estão e são, ou são e não estão, naquele fragmento imprevisível.
passando, passando, em passando, pelos trajetos da cidade e pelos milhares de olhos
feitos edifícios e pelas ruas que os alinham, que os tornam altos e os destroem
na sombra das almas que os significam. que os tornam necessários e representativos
suspensos, sem raízes, na sede do segredo

do segredo e das narrativas –

josé ferreira