terça-feira, 8 de janeiro de 2013

escrevo-te (V) - antes que o ano acabe


                                Eliseu Visconti

escrevo-te antes que o ano acabe
antes que cesse o último minuto de uma lua branca
e branca permaneça pelo ano que inicia –
não é tarde dizem os sinos das aldeias, não é tarde
não é tarde diz a onda que preenche a areia
não é tarde dizem os barcos parados nas cordas dos rios –
as noites alcançam sempre a longitude dos dias
uma rotação contínua , um rodar de rodas de madeira
e rodas de moinhos –
há zumbidos de abelhas nos meus ouvidos
uma não sintonia de botões de rádios antigos
ruídos, ruídos, ruídos –
mas mesmo assim escrevo-te
antes que ano acabe e um outro se inicie
um ano luz um ano de todas as luzes
um mimetismo de melodias
uma parábola de mãos cheias como um sol acendido
e os dedos fora das mãos e dentro do corpo
e os dedos como leme de navios
e os dedos como películas sobre os medos
como fios de chuva, lúcidos, transparentes
para eliminar a cor escura das nuvens
e iluminar os dias –

 josé ferreira 31 dezembro 2012