terça-feira, 18 de setembro de 2012

o frágil vidro




por vezes
pelo interstício das células faz-se o caminho
como se colocasses os pés dentro de água, impermeável
ao líquido e à escama que desliza  –

a cidade não te surge como destino.
por vezes, a  cidade é uma rua deserta
não tem qualquer significado
quando caminhas sozinho –

há um banco no jardim do universo
há uma física emoldurada de tílias
há um horizonte que se constrói na planície do sonho
e uma realidade difícil
que se ultrapassa todos os dias.

sempre que a parede, muro, líquen ou vidro
se ergue como a Babel do incompreensível
procura o fio, a curiosidade de descobrir o infinito
procura o linho, a mão unida, a sede dos olhos
a luz no caminho

há sempre uma saída –


josé ferreira 18 de setembro 2012

1 comentário:

Aline Carla disse...

Lindo! E com certeza há sempre uma saída, principalmente se crermos em milagres e enxergarmos a vida que existe na eternidade.
Imenso abraço amigo!
Aline Carla.