domingo, 8 de julho de 2012

o vento de passagem nos cabelos




o vento invade os cabelos longos das mulheres
e coloca riscos finos na frente dos olhos
levanta as mãos e faz descer as pálpebras
para que subam de novo na maior abertura do rosto;
o oval luminoso e não a silhueta incompleta.
todas as sombras  se desiludem
iluminas-te –

fico por um minuto com a alma presa
na imagem precisa, na clarividência, na lisura
do teu movimento –

o vento é passageiro de um vento nómada
de um vento imenso que nos leva sempre
ao lugar do intangível nas noites viajantes
junto das areias
junto das luas, junto das águas mais profundas
até ao sonho emaranhado de um caminho
o interior da concha, o lugar lúcido –

josé ferreira 8 julho 2012

1 comentário:

Anabela Brasinha disse...

Olá josé,

Gosto bastante do final,

"o interior da concha, o lugar lúcido - ".

Bom resto de dia!