sexta-feira, 1 de junho de 2012

7

                                Katerina Bodrunova

Fecham-se as persianas
À ternura urge o lusco-fusco.
E os olhares ácidos
Do crepúsculo
Não saboreiam
Silêncios subtis
Num sabor feito de ardor
E arco-íris.

Fecham-se as persianas.
A ternura invade o chão nu
Numa união sempre original
De corpos doces a saber a sal.

Fecham-se as persianas.
Arde a luz.

                                10.07.1991

José Almeida Silva in Amanheceste em mim pelo poente, Editora Moura Pinto, 2007

2 comentários:

Aline Carla disse...

Lindo e insinuante! Quero muito ler este livro! Abraços!

liliana disse...

O seu poema é muito bonito. Parabéns.