quinta-feira, 17 de maio de 2012

naquela casa habita


                                  imagem retirada da internet

naquela casa habita a princesa dos alpes,  as árvores e os pássaros,
rodeada de pinheiros de agulhas apertadas,
o tecido verde, a sua erva  numa tela de terra
por vezes um caminho, despida –

naquela casa habita o cinzento da distância
de um outro monte e de uma outra casa
e o rosa na inclinação da bússola –

se olhares o sul encontras o sol
 a sua luz na testa e a sua sombra nas costas, nocturna, a sua lua –

se olhares o sul, encontras a viagem dos raios que trazem o céu
esse mar de avesso, em cima, sem gotas de algumas nuvens  –

se olhares o sul encontras um outro mundo
e um outro tempo, na sua asa de andorinha
na sua possibilidade, como Dickinson
e habitas, a casa como um ninho,
e a primavera como um aroma e uma luz de flores, um jardim,
seja de magnólias, orquídeas, jasmins, ou mesmo de dálias e jacintos,
e a orquídea, a rainha das ilhas entre foguetes de fim de ano
levada e em levadas pelo odor de buganvílias –

naquela casa entre a relva de um verde salsa e o caminho habita a princesa dos alpes
habita o síncrono advento, a possibilidade de uma janela grande aberta num alpendre,
num luar quente, numa rede que oscila em gestos pequenos –

naquela casa habita a melodia dos violinos, um quarteto de som
 o eco que prolonga o braço e ergue uma varinha, a magia da madrinha
a humanidade das estátuas de Sofia, a fonte  de uma nascença de águas
o seu rumor contínuo, a transparência em fio
o seu linho invisível –

naquela casa habita o embalo da serra, a sua tranquilidade
o seu búzio sem ruídos –


josé ferreira


1 comentário:

Aline Carla disse...

Eu quero esta serra para mim! Quanta inspiração poeta!
Em minha cidade está fazendo frio e como seria oportuno termos uma "lua quente".
"Serra da boa esperança, esperança que encerra no coração do Brasil um punhado de terra...
Nós os poetas erramos porque rimamos também os nossos olhos nos olhos de alguém que não vem..."
Bom dia poeta José Ferreira!