quinta-feira, 19 de abril de 2012

a carta que te escrevo ( VI )



Escrevo-te esta carta para que a guardes
sem pressa, para que a mantenhas na mão e que a recomeces
como um umbrella, uma pequena protecção
um afecto, neste dia em que a chuva foi farta e o céu não acontece.
vou-te contar, começa assim:

a noite correu como um carro avariado no meio de uma auto-estrada
ninguém parou. As forças caíram-me dos braços e não surgiram os versos.
quando acordei tinham partido todos os autocarros, andei e andei.
três horas de sono e havia uma música de tambor em cima da cabeça
uma festa popular, uma batuta engasgada, uma nota só, pom, pom, pom –

mas bem sabes da minha natureza, a impossibilidade de uma zanga
um sorriso na adversidade, ensinado pelo tempo e pela existência de um sol.
refugiei-me numa tarde de quatro passos, desencontrados e em gargalhadas
brincando com as folhas bem dispostas, dando voltas num lampião –

lembras-te daquele senhor de boina verde, improvável como um meteorito de Londres
falava sozinho com os seus botões e tomava notas apressadas numa sebenta
com todas as letras em diagonal; uma distância rítmica de 30 cm e um certo balanço
o levantar da cabeça como se os prédios ou as nuvens ou o céu , fossem livros abertos
e as paredes páginas impressas de iluminações –

a distracção foi o tal attimo que te prendeu dentro dos meus braços
e foi assim porque queríamos, porque o senhor da boina verde, se existiu
foi para que existisse do mesmo modo a dança das tuas mãos
as ruas menos pálidas e aquele fogo parado a consumir-nos olhos
a juntar, uma, duas, três, três vezes os lábios –

mas escrevo-te, e ao escrever é como se pousasse de novo um gato nos meus ombros
subisse escadas como um papagaio e no fim esperasse pelo colo ou o sol, um raio de sol –

os teus cabelos, lembrei-me agora, como os tens hoje?
e a roupa, uma gabardine, um carapuço privilegiado na sombra do teu rosto?
e os sapatos, baixos, naquela forma delicada que descobre o pé ou antes uma meia-bota
acima do tornozelo, larga, ou mesmo uma sapatilha das que afastam a água
e confortam o pé, preparando uma corrida, um esconderijo de uma porta
quando a chuva aperta e em mil gotas se desfaz por todas as ruas desertas –

os parágrafos longos de letras e as ideias a escorrerem como uma torneira aberta
quando penso no teu colo a adormecer-me estes nervos aqui dentro
que me consomem, e com as mãos tapando-me as orelhas e os medos
na ternura de tornar quietos estes cabelos estremunhados pelas marcas da almofada –

és uma fada, bem sabes, uma fada única de milagres, nesta era do vazio, da desordem
da falta de oásis –
és uma fada, não cesses nunca a sedução, aquele lugar escrito no alto do inverno
sobrevivente, deslizante e forte como um vulcão, no alto do inverno
do descontentamento, da chuva que permanece mas não vence, não –

desculpa-me, fada, fada grande, fada boa e fada certa para ser mágica.
canso-te de novo, egoísta como um ovo, quando o que queria era ser-te onda
uma wave de som afagando o teu cabelo; colocar e tirar e colocar de novo
uma dália, uma dália branca, e pôr e retirar e guardar, e num jogo
de novo voar sobre o teu olhar para colocar de novo, a dália
a dália branca, para tirar e pôr de novo –

não estou ao teu lado e escrevo-te, mas vejo-te sorrir
e quando a roda dos teus olhos ganham uma ruga feliz, fico de cristal
tão sensível como um néctar de muitos anos, único,
feliz para as tempestades para os raios e para todos os males.
vejo-te sorrir –

descansa pois com os teus anjos fundamentais e sonha muito
sonha com uma seda de hermés ou um camisa longa de algodão
ou com a troca de uma t-shirt minha que te cubra e descubra
um pouco abaixo do umbigo num jogo de sedução
um storytelling, uma narrativa sussurrada ,sem sonos, de mãos nas mãos –

e não paro, desculpa, shhhh…, shhh…, para mim, para que descanses
e para que os teus olhos em Rem se movimentem com dream-on
a sonhar com um campo e flores e amoras e árvores de bolotas
com carapuças castanhas, ou mesmo romãs, que são vermelhas –

sonha muito, movimenta os olhos dentro das pálpebras como se fosse uma massagem
vou fazer o mesmo e quem sabe encontramo-nos no lado esquerdo, a mesma margem
ao mesmo tempo, no suspiro certo –

dorme, descansa, beijo-te muito –

1 comentário:

Marlene disse...

Mais uma carta José que dá vontade de esperar pelo carteiro que as deixa aqui onde Neruda aprovaria.
Imagens bonitas como o pousar de novo um gato nos ombros e escrever. Ou a aliteração musical(da..de..da..de)"és uma fada, bem sabes, uma fada única de milagres, nesta era do vazio, da desordem
da falta de oásis".
Que o carteiro prossiga as suas entregas.