terça-feira, 3 de maio de 2011

Palavras de Herberto Helder


Francis Bacon

"- Se eu quisesse, enlouquecia. Sei uma quantidade de histórias terríveis. Vi muita coisa, contaram-me casos extraordinários, eu próprio... Enfim, às vezes já não consigo arrumar tudo isso. Porque, sabe?, acorda-se às quatro da manhã num quarto vazio, acende-se um cigarro... Está a ver? A pequena luz do fósforo levanta de repente a massa das sombras, a camisa caída sobre a cadeira ganha um volume impossível, a nossa vida... compreende?... a nossa vida, a vida inteira, está ali como... como um acontecimento excessivo... Tem de se arrumar muito depressa. Há felizmente o estilo. Não calcula o que seja? Vejamos: o estilo é um modo sutil de transferir a confusão e violência da vida para o plano mental de uma unidade de significação."

Herberto Helder (retirado de contoasfavas.blogspot.com)

2 comentários:

Vanessa Souza Moraes disse...

não creio que loucura seja uma questão de querer.

josé ferreira disse...

Olá Vanessa, também não acho que seja. Nas palavras de Herberto Helder, que suponho incluídas num conto, há um inscrever de um diálogo, um diálogo excessivo de um personagem com um alguém, um diálogo quase alienado em que esse mesmo personagem acredita a possibilidade de domínio da fronteira, do real e da loucura. quando li o texto lembrei-me das metamorfoses humanas em alguns quadros de Francis Bacon e essa a razão da ilustração.
Obrigado por comentar.

Abraço