domingo, 30 de janeiro de 2011

o sintoma era aquele bater de asas


Leonardo da Vinci "Código de voo das aves"


o sintoma era aquele bater de asas
querendo ganhar o espaço com o peso pesado do tronco
o chumbo dos ossos, o lastro dos pés colados na calçada
sem sair para qualquer lado -

desactualizado estava o divã vermelho, a poltrona escondida
o bloco aberto na ponta do lápis, o cofiar da barba.
desejado era o face-a-face, o desfolhar associado de palavras
recolhidas no fundo da alma.

e de que é feita a alma?
feita de dúvidas plenas ? de nuvens largas?
de histórias e viagens?

aquele incessante bater de asas -

qual o segredo das células? o verdadeiro estado?
a identidade rodopiante sem catarse?

e o sintoma
sem sair
para qualquer lado -

1 comentário:

Leonardo B. disse...

["naquele incessante bater de asas", o principio da intemporal viagem, uma longa viagem]

um imenso abraço,

Leonardo B.