sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

apaga o mais lentamente que puderes


Annie Leibovitz "Petra"

apaga o mais lentamente que puderes aquela luz acesa
como se não fosse filamento e antes a ondulante chama.
vem com a tua mão mais invisível e segura sem ruído o clic.
deixa imersa no quarto a grande sombra, a mãe de todas as sombras
porque o escuro guarda todas as possibilidades do branco.
vem com a palma totalmente aberta, as duas palmas totalmente abertas
vem sobre a febre do rosto e sente
um manto morno de palavras a assumirem os pulsos
a subirem os braços, a fecharem os ouvidos depois de entrarem.

permanece na ardência que não queima
mas é mais grave -
permanece como um grande mar, no escuro
nas três curvas de um búzio;
ondas, ondas, ondas e espuma -


segura com força os ponteiros.
sinto-me bem. sinto-me bem.
não deixes avançar o tempo -

1 comentário:

Eduarda disse...

José,

que poema para um final de ano tão conturbado.

Agarremos a esperança, que ainda é tempo.

feliz 2011.

bj