segunda-feira, 22 de novembro de 2010

um poema escrito no céu


Paul Klee




não sossega a luz de cor rubra. escurece.
surge a névoa. uma toalha sobre a mesa
quando a noite, escondida, é das estrelas;
lugar azul de mãos abertas .
anjos de lua abrem linhas nítidas
em vidros de gelatina, ombros divinos
lábios sobre as brumas
leis subidas de poesia -

perdem-se os medos por esses dedos siderais
reflexos de astros, espelhos de veludo
almas de mercúrio
flectindo em ondas célebres de chama
os ventos sibilantes, ínvios, ínvios
ínvios e marginais -

1 comentário:

Leonardo B. disse...

[nem parece que haja um lugar à mesa do sossego... o mundo tem que girar!]

um imenso abraço, José

Leonardo B.