terça-feira, 16 de novembro de 2010

Retrato do poeta quando jovem


Manuel Moral 1977


Há na memória um rio onde navegam
Os barcos da infância, em arcadas
De ramos inquietos que despregam
Sobre as águas as folhas recurvadas.

Há um bater de remos compassado
No silêncio da lisa madrugada,
Ondas brancas se afastam para o lado
Com o rumor da seda amarrotada.

Há um nascer do sol no sítio exacto,
À hora que mais conta duma vida,
Um acordar dos olhos e do tacto,
Um ansiar de sede inextinguida.

Há um retrato de água e de quebranto
Que do fundo rompeu desta memória,
E tudo quanto é rio abre no canto
Que conta do retrato a velha história.


(In OS POEMAS POSSÍVEIS, Editorial CAMINHO, Lisboa, 1981. 3ª edição)

1 comentário:

Leonardo B. disse...

[tanto quanto o retrato de toda a criança que se orienta pela rosa-dos-ventos, agulha de marear,voo do poeta, imitação de vida]

um imenso abraço,

Leonardo B.