sexta-feira, 24 de setembro de 2010

basta que te dispas até doeres todo


Salvador Dali " A alegoria da Primavera" 1978


basta que te dispas até doeres todo
retoma-te no tocado, no aceso,
e fica cego e,
por memória do tacto, desfaz os nós,
muitos, muito
atados uns nos outros,
e que inteiramente te alcance o ar e,
depois de te haver abraçado de alto a baixo, apareça já
inextricável, ar
falado, a fino ouvido: cacofónico,
mas de um modo exacto, acho,
música inquieta, inconjunta, impura,
isso: essa música

Herberto Helder “ A faca não corta o fogo” Assírio & Alvim 2008

1 comentário:

CAROLINA CAETANO disse...

Desde o primeiro e impensável verso, até este aposto último: quanta beleza e força, quantos nós e apropriações! Lindo! Helder é essa maravilha sem tamanho, essa música toda.
Estou feliz em chegar aqui.
Forte abraço!
Carolina.