terça-feira, 13 de abril de 2010

No Princípio Era


Paul Klee


Não dormia sem o escuro absoluto.
Doíam-lhe os olhos de ter visto cidades,
de ter esquecido gente, do frio
do vidro nas palavras. Demorava tanto
a entender o mundo que agora não dormia
de muita luz que as coisas tinham
antes sequer de serem suas. Trabalhava-se tanto
nesse lugar onde vivia com outros como ela
que às vezes pensava: tão estranho nascer
(quer dizer, nascer mesmo, estar aqui)
para o dia passado com estranhos.
E por isso, no princípio, não dormia
sem procurar o amor, sem beijar na testa
a noite que acabava serena e exausta como a noite.

No princípio era.
Depois esvaziou-se com cuidado.

(Filipa Leal, Janeiro de 2007)
(retirei este poema do blog das Quintas da Leitura)

3 comentários:

Joana Espain disse...

Adorei. E se não fosse não era..:)

Anabela Brasinha disse...

Gostei deste
No princípio Era,
do princípio ao fim!

josé ferreira disse...

Olá Joana e Anabela
é muito bom este poema de Filipa Leal. Tenho observado alguma da óptima poesia dos novos poetas e vou ver se publico mais.

Abraço