domingo, 10 de janeiro de 2010

Povoar-te de rosas




Guardo de ti a mais bela imagem: a fotografia
que povoa os meus sentidos.

Nem que suba à mais alta montanha
nos dias mais frios
todos os gelos serão derretidos.

Não há lugar a vapores ténues nem silêncios
negarei hoje e sempre todas as ausências;
pois se nos versos escrevo sonhos
se nos quartos das luas admito cores
é porque sinto;

povoar-te de rosas faz todo o sentido

2 comentários:

José Almeida da Silva disse...

Olá, José!

Que belo poema de amor!

«povoar-te de rosas faz todo o sentido», eis o verso de que mais gostei.

Parabéns.

SraDeLua disse...

Lindíssimo poema...
Gostei muito...

Os meus cumprimentos