domingo, 8 de março de 2009

Sou uma pedra de gelo
num copo de whiskie;
sem odor arrefece
sem sabor amacia
redonda s'esvai...
sumiu!

2 comentários:

Marlene disse...

José,
Gostei muito.
A sua pedra de gelo imaterial e sinestésica é uma autêntica palavra que sem corpo ou termo de residência ainda assim vive para alimentar o poema.
Mais uma vez atrevo-me a sugerir que o poema ficava perfeito sem o "sumiu!" final (mas é só a minha opinião).

Um beijinho e parabéns

josé ferreira disse...

Marlene
agradeço imenso as tuas sugestões.
quando compuz este poema também tive dúvidas mas acabei a alimentar o poema da redundância que se espera antes do "sumiu". Neste não tenho certezas prefiro manter para já assim.

mais uma vez obrigado