quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Convictos

Das manhãs laminares
que deslizam pelo útero
escolho aquela
vermelha suspensa
em os olhos se espalharam
grandes e convictos
e nunca mais te viram.

2 comentários:

Marlene disse...

Muito forte Joana, mas gostei tanto.
Muitos parabéns

josé ferreira disse...

Joana estou "convicto" da força da tua poesia e de em poucos versos colocares as palavras que já conheciam o seu sítio certo. Uma ideia expressa poética e precisa.
Também vou tentar explorar essa forma porque na poesia tudo é permitido, subimos ao céu, descemos ao mar, damos trambolões nas fragas e sempre encontramos um caminho que queremos sempre novo.

Bjo e Parabéns