terça-feira, 20 de janeiro de 2009

olhos teus

........................"Não será bom proibir
........................os beijos interplanetários?"
........................Pablo Neruda

Conduzo a armada planetária
Dirigindo uma expedição aos olhos teus
Tento levar tudo que me permita
Sobreviver no teu planeta duplo
Preparo sem ciência e experiência
A acoplagem nas tuas pupilas
Aterro numa velocidade gigantesca
Que o teu lago salgado amortece
E que forma de vida me aparece!

Consta haver o lado esquerdo e direito do cérebro
A crença que catalogam funções distintas
recordo
Como tentasse descobrir uma diferença
Entre teus olhos gémeos perfeitos
Como um fosse a terra, outro a lua
Como um fosse original, outro a cópia
Concluo os resultados da expedição:
Jamais vi tamanha beleza duplicada
Constato que nunca um poderá ver o outro
Como se a perfeição não se reconhecesse
Alem da visão no espelho.

Os teus olhos - são dois e um olhar
E outro ainda antes de me abandonar
Os teus olhos – são dois e um retrato
Abstracto da alma que duvidas ter
Que não te pede licença para me receber
No olhar penetrante esbarrando na nave
Que te invade a porta entrefechada do coração.

Esqueço já de investigar
Perdido no planeta lugar
Inveja sinto do teu oftalmologista
Do oculista que te aconselhou os óculos de sol
Para alem daquele fotógrafo malabarista
Que ousou tentar reproduzir o irrepetível
Do mundo que te habita num olhar.

Sou eu quem te fita agora
E não há escândalo nesse lugar sagrado
O sentir-me em casa - no templo da origem
Convidas alongando o ângulo da mirada
Eu estrangeiro encantado no seu interior
Delicio-me com as cores da cor dos teus olhos
Passeio no céu que há nos teus sonhos
Mergulho no mar das tuas lágrimas escondidas
Sinto o amor de uma guardada para mim.

Sorris depois - Baptizas a minha alegria
De onde vês vejo um brilho fresco
E nessa luz nasce o meu dia
Revela-se o universo da utopia
Agora descansa
Fecha os olhos suavemente
Cerra neles as ideias do poema explorador
E guarda meu amor - a realidade da paz
Que me dás quando olhas docemente
Para aquilo que é a minha imagem.

Qual a imagem do negativo de
Um beijo nosso?

4 comentários:

Marlene disse...

António,
Não querendo estragar a grande beleza das tuas palavras com um comentário científico, hoje mesmo saíu a notícia de que um nanorobot chamado Proteus foi desenvolvido por uma equipa australiana para viajar no nosso corpo pela corrente sanguínea.
Soubesse o Proteus que o olhar reflecte o interior e nem precisava de entrar, ou forçar portas entrefechadas.
A tua armada planetária e a tua expedição ao fundo do olhar encheu o meu de beleza.

josé ferreira disse...

António é um magnífico poema com uma mensagem emocional muito forte, sensitiva, sensual, criativa na viagem planetária e plena beleza no visual que se deseja e que simultaneamente também é desejo realizado.
O final no negativo de um beijo é genial porque implica o subtil de por trás do "negativo" estar muito mais o "hipérbolativo".

Parabéns e um abraço.

Joana Espain disse...

Abstracto da alma que duvidas ter
....
Convidas alongando o ângulo da mirada


Adorei!

Elza disse...

António, não há palavras para descrever como este teu belissimo poema me tocou. Adorei os versos a esse olhar "Constato que nunca um poderá ver o outro/ Como se a perfeição não se reconhecesse/ Alem da visão no espelho. / Os teus olhos - são dois e um olhar/ E outro ainda antes de me abandonar". E gostei imenso do final da tua expedição, dessa alegria, do brilho fresco de ver o olhar do outro, do negativo de um beijo. Parabéns!!!