segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Um outro olhar...(2)

“no meio do mar...”




no meio do mar sinto-me o dono do mundo

sonho, grito, falo com as estrelas e com o sol

faço amor com as sereias e brinco com os peixes


no meio do mar, eu sou autêntico

pois consigo ser, simplesmente, eu

e não tenho medo de nada

nem das correntes, das ondas ou do maior peixe que existe


como poderia ter medo no meio do mar?

não há guerras, fome, nem crianças maltratadas

não há mentiras, nem ódios e vingança é palavra que não existe


é tão bom estar no meio do mar

sozinho, solto e disperso

sentindo-me o dono do mundo

do meu mundo…

5 comentários:

Nuno CA disse...

Olá outra vez...
depois daquele primeiro impulso...aqui vai um segundo impulso, depois dos simpáticos comentários que agradeço...

José Almeida da Silva disse...

Esse sentido de liberdade e de comunhão com a natureza transborda do mar de poesia. Esse estar assim com... exclui a agressividade e a violência do mundo em que vivemos, e é um grito poético para dizer "Basta!".

Gostei muito desta maneira de dizer a bondade, o amor e a liberdade. Grato pela sua partiha generosa.

imensa disse...

lindddddddddooooooooo, como é bom viajar no meio do nosso mar.

parabéns, bonito e simples.

josé ferreira disse...

Libertação da terra ganhando o mar, uma forma muito íntima, natural, sensível, de pousar dentro de nós, como uma ilha de quietude rodeada de um mar calmo, esquecendo injustiças deste mundo, procurando o essencial!
Gostei muito!
Parabéns!

Elza disse...

Adorei navegar pelo seu mar! E ainda que apenas por breves instantes, nele senti felicidade. Sem preocupações, os pulmões cheios de ar puro a rebentar... No meio do mar, sózinha, eu cheia de sonhos e o resto do mundo, ao longe, parecendo em paz. Obrigada!