sexta-feira, 10 de outubro de 2008

DINOSSAURO VERSUS AVES ( a proposito de um artigo de ciência):

Pertenci aos "seres terríveis",
fui gigante lagarto de penas,
sem ser obeso,
era equiparado em peso
a elefante grande... um dinossauro predador!
Tive aspectos os mais incríveis,
apesar de formas amenas,
sob minha pele... ar, em sacos aéreos, em ossos ocos,
embora sem membros tocos,
originei as mais leves aves,
ensinei-as a libertar excesso de calor.
Meus imensos ossos de ar,
invadidos por vitais fluxos aéreos,
explicam minha linhagem diferente,
e minha sobrevida isoladamente;
meu primo americano mais próximo,
geneticamente não teve uma tal sorte,
extinto que foi milhões de anos antes
pela Lei compulsiva da morte!
De resto, sempre que precisava,
conseguia que o ar percorresse o interior
e a intimidade do meu esqueleto,
transfigurando-me por certo
obtendo mais leveza em minhas caçadas,
conquistando espólio...o meu amuleto!
Assumi assim passar testemunho
às aves, ossos pneumáticos,
e vejo-me hoje sob homenagem
apontado como o mais fiel, recente elo,
entre os garbosos "lagartos terríveis"
e as aves da melhor linhagem.


Antonio Pinto Oliveira ( 07-10-2008).

5 comentários:

josé ferreira disse...

Assim não vale, usou os ocos ossos do nosso descontentamento, os elefantes, o excesso e o calor, e arquétipos de homenagem às aves de outras eras, de outra linhagem, construiu a poesia onde os ossos são pneumáticos e os lagartos terríveis se vão da "lei da morte libertando".
Agora falando sério...Parabéns!

blankbluebooker disse...

Muito bonito António. Gostei especialmente da parte "conseguia que o ar percorresse o interior/e a intimidade do meu esqueleto,".

Maria Celeste Carvalho disse...

Com o elefante, as aves,a pele, caçadas e ossos ocos, o António, com a poesia a seu lado, ofereceu-nos um poema muito forte, original, e muito bonito!
Gostei muito.

Maria Celeste Carvalho

Elza disse...

Valeu a pena deixar-se levar por esses "lagartos terriveis"! Muito bom!

Ana Luísa Amaral disse...

interessantíssima a ideia de falar a partir da voz do dinossauro! gostei imenso. "Assumi assim passar testemunho
às aves, ossos pneumáticos" -- excelentes versos estes!