segunda-feira, 5 de maio de 2014

surrealismo

imagem daqui

debaixo do sol um vapor de primavera inflama as narinas.
a praia ao fundo é uma sucessão de ondas que se desdobram e dobram de novo
numa renda em linha: efémera, múltipla, de traço fino –

o teu cabelo surge iluminado como linha de horizonte e ponto de fuga.
o corpo estica até ao infinito quando fechas os olhos:
reflexos cegam num silêncio sublime 


sem palavras, sem ruído –



josé ferreira 5 de maio 2014

1 comentário:

Mar Arável disse...

No espelho das águas

tudo é mais claro