quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

outros dias























penso em todas as diferenças: as do género e as outras
 a luz de uma manhã  sumindo sombras
 os versos escritos nos espelhos  de um rio
os remos guardados dentro de um barco magnífico
o ruído dos pássaros
e o silêncio nas margens sem indícios –

outros dias –


josé ferreira 25 fevereiro 2014

3 comentários:

Anabela Couto Brasinha disse...

Olá!
Belos versos e,
"outros dias" com essa luz da manhã!

Joana Espain disse...

'O silêncio das margens sem indícios', bom voltar aqui e ouvir a agitação deste seu mar:).

Abraço

Joana

José Almeida da Silva disse...

É o pensamento sobre o real que se constitui, aqui, a matéria do poema: a fulguração do dia,do rio e do barco; o eco sublime da linguagem dos pássaros e do silêncio sem amarras, dando aos dias um corpo outro, "versos escritos nos espelhos de um rio".

Belíssimo, o poema!

Abraço,

José