segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Para ompa


De vontade pura leva nascença
humildemente se cura criação assim
tentámo-nos em fada dentro e fora
dada infância presente letra a letra

Da liberdade donde tudo parte
imensos ou pequenos versos dei-tos
às vezes, as batalhas como fonte
outras, de harmonias cenários lentos

Aí, os sabores dos mares e das serras
erguidas aldeias e cidades ermas
em passados ou presentes, vividas

São heras do coração sempre em mente
ente querido o partilhado encontro
ligados, chaves-de-ouro que aqui se têm!

Anabela Brasinha

Sem comentários: